Diante do cenário de pandemia do novo coronavírus, uma situação tem sido comum nas unidades de saúde de Minas Gerais: instituições têm exigido que fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais trabalhem no manejo de pacientes sem a disponibilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Profissionais de saúde relatam falta de equipamentos adequados até para aqueles que têm contato direto com os casos suspeitos da Covid-19.

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região (CREFITO-4 MG) entende que o atendimento por fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais sem a devida disponibilização de EPIs é uma afronta à saúde dos profissionais que ficam expostos aos riscos de contrair diversas doenças das quais seus pacientes são portadores, em especial, a Covid-19. Tomando essa medida irresponsável, as instituições de saúde estarão, inclusive, pondo em risco a vida dos profissionais de saúde, únicas pessoas que, no momento, podem combater a atual pandemia no país.

O CREFITO-4 MG sabe que a situação é grave. Por isso, o conselho está elaborando diversas ações, dentro das possibilidades legais, para garantir que os fisioterapeutas e os terapeutas ocupacionais não tenham suas vidas colocadas em risco. A assessoria jurídica do conselho elaborou um parecer jurídico dispondo que “caso o equipamento não seja disponibilizado, tais profissionais não estão obrigados a realizarem atendimentos, podendo manifestar a recusa mediante comunicação a seu superior hierárquico. Nesse caso, é recomendável, também, a notificação da Secretaria de Saúde.” Leia na íntegra o parecer: http://twixar.me/rtMT.

Em caso de descumprimento das unidades de saúde quanto à disponibilização adequada dos EPIs, denuncie ao conselho pelo e-mail denuncia@crefito4.gov.br.

ASCOM/CREFITO4 MG