CREFITO-4 discute riscos do ensino a distância na saúde com os estudantes da Funcesi

Com o objetivo de fortalecer a posição contrária do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região (CREFITO-4) em relação ao ensino a distância (EaD) nos cursos de graduação da área da saúde, o presidente da autarquia, Dr. Anderson Coelho, ministrou, na noite desta quarta-feira (9), palestra sobre EAD na saúde para os alunos da Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (Funcesi), durante o 2º Seminário de Cultura Meio Ambiente e Sociedade.

O presidente começou a palestra citando poemas do poeta itabirano, Carlos Drummond de Andrade, que se graduou em farmácia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mas nunca exerceu a profissão por se considerar incompetente para tal. Diante da lembrança, Dr. Anderson Coelho fez uma analogia com a atual realidade do ensino a distância nos cursos de saúde no Brasil, que resulta em profissionais desqualificados para atuação na área.

Na ocasião, Dr. Anderson Coelho alertou aos discentes sobre os prejuízos que o ensino pela modalidade a distância ou semipresencial acarretam à qualidade da formação acadêmica e, consequentemente, os perigos a que a sociedade estará exposta diante da má qualidade do serviço prestado por esses futuros profissionais. “O avanço das tecnologias surge como ferramenta de suma importância para a garantia de um ensino mais eficaz e melhores resultados no universo acadêmico. O uso desses recursos tecnológicos deve sim complementar o ensino na universidade, mas não pode, de forma alguma, substituir a presença do docente em sala de aula, tendo em vista que a formação do fisioterapeuta, do terapeuta ocupacional ou de qualquer outro profissional da área da saúde requer o desenvolvimento de habilidades que exigem a troca de experiências presenciais. Nada substitui o contato humano numa formação verdadeiramente humanística”, afirma o presidente do CREFITO-4, Dr. Anderson Coelho.

Durante o debate com os estudantes, Dr. Anderson Coelho criticou o “mito da democratização e da inclusão” supostamente proporcionadas pelo EaD - estratégia argumentativa comumente adotada pelas instituições particulares para potencializar a sua captação de alunos na modalidade a distância. Ainda, de acordo com o presidente da autarquia, “a explosão da oferta de cursos de graduação a distância se concentra em regiões economicamente mais desenvolvidas, e não naquelas em que há carência de recursos e escassez de instituições de nível superior”. Desta forma, é possível constatar que o objetivo da mercantilização do ensino na área da saúde, por meio da educação a distância, não tem relação com a qualidade do aprendizado, nem com a acesso igualitário à educação, mas somente favorece aos empresários do ramo.

Por meio de várias ações, como sugestões de projetos de lei já apresentados à Câmara dos Deputados, articulação com os demais conselhos mineiros de fiscalização profissional, debate de metodologias ativas com o corpo docente, promoção de palestras pelo estado para discussão do assunto, o CREFITO-4 tem se posicionado veementemente contrário ao sucateamento da educação que acontece nos cursos de fisioterapia e terapia ocupacional da modalidade a distância.

ASCOM/CREFITO-4